Nutrição e a Dieta Ducão

dieta dukan

Digo para vocês que ser nutricionista não é fácil! Sério! Principalmente quando as pessoas não sabem que somos nutricionistas e começam a falar coisas meio “estranhas” perto de nós! (haha). A última da vez foi a Dieta Dukan (ou Ducão, se vocês preferirem kkk)! Pois acreditem, escutei dizer na academia que um profissional de educação física “mandou” o aluno ler o livro e fazer a dieta. Quase tive um TROÇO! Jesus que me ajudou a ficar calma e maravilhosamente com cara de paisagem só pra ver até onde tudo ia. Vou explicar um pouco mais para vocês.

comer

A dieta Dukan (que inclusive comprei o livro só pra ver o que era de tão “mágico” assim) foi criada pelo francês Pierre Dukan (que, inclusive, foi proibido de praticar a medicina na França) consiste em um método que se diz rápido e fácil de emagrecer e tem 4 fases – que dizem ser de emagrecimento e consolidação. Ela ainda alia o regime à prática de caminhadas, além da ingestão de farelo de aveia, de 2 litros de água por dia e ainda “autoriza” o consumo à vontade de 100 alimentos, sendo 66 ricos em proteína e 34 tipos de legumes. Ou seja, uma dieta restritiva para todo mundo (sem respeitar o corpo e o organismo de cada um), com caminhadas (com qual orientação mesmo?), farelo de aveia todo santo dia para sempre (ninguém enjoa de aveia mesmo, não é?) e 2 litros de água por dia (até porque uma pessoa que pesa 50kg e tem 1,55m e outra pessoa que tem 100kg e mede 1,87m são super semelhantes quando o assunto é ingestão de água). Façam-me o favor!

maçã

Muitos estudos apontaram o grave desequilíbrio alimentar que a dieta causa, além de trazer consequências como tonturas, dores de cabeça, mau hálito, constipação intestinal, falta de energia, tristeza, ansiedade, distúrbios de humor e outros fatores como possíveis patologias renais e até cardiovasculares. Te digo, que provavelmente, você fazendo esse tipo de dieta uma vez por pouco tempo não vai ter muitas consequências assim, mas o problema é que as pessoas adoram o tal do efeito sanfona, pois, após prolongado tempo de uma dieta restritiva como essa e achando que chegou a um “bom peso”, o indivíduo provavelmente irá compensar tudo aquilo que deixou de comer. Voltando ao peso anterior num passe de mágica (aí sim é mágica das boas, porque nosso organismo não é bobo não!) e voltando a fazer a dieta sempre, tornando um ciclo vicioso e perigoso!

nutriçãoVocê tem alguma dúvida de que tudo que tem por trás dessa dieta é o interesse econômico? Ou ta afim de ficar com aquele bafinho delicioso de acetona? Por favor gente! Dieta não existe! Alimentar-se bem existe! Procurar um nutricionista e um professor de educação física (habilitados e éticos – comprometidos com a ciência) existe mais ainda e vai te fazer sentir muito melhor…

Por: Anne Paiva

Anúncios

Eu Digo Não à “Gordofobia”

gordofobia

Começo este post relembrando o fato que aconteceu na cidade de Brasília há poucos dias, no qual modelos plus size participaram de uma manifestação contra o preconceito a pessoas que não se enquadram nos “padrões de beleza” impostos pela sociedade. A manifestação contra a “gordofobia” (termo horrível, ao meu ver) foi incentiva depois de duas das modelos ouvirem do recepcionista de um hotel da capital que “não caberiam juntas numa cama de casal”.

O termo “gordo” é bastante usado, não é mesmo? E o pior não é o termo, são as fantasias que se cria de pessoas que sofrem de obesidade. Para muitas pessoas, o termo “foco, força e fé” não se aplica a alguém que está acima do peso. Aquela pessoa não tem foco por não ter uma bunda dura e sarada? Por favor né, pessoal.

Estamos vivendo um booom de preconceito, de inversão de valores e de muito ódio. No qual uma blogueira famosa é vista como “deusa” do mundo da nutrição por não ser acima do peso e fazer exercícios físicos. Como se isso fosse algo inimaginável! Assim, o conceito de saúde se perde num abismo, muitas vezes sem volta.

Eu sempre fui a favor de estar de bem com o corpo e com a mente. Sem extremismos, sem sofrimentos. Eu sempre fui a favor da saúde. Você está hipertenso, com o triglicérides alto e na beira do diabetes? Então vamos conversar. Você está de bem do seu corpo e quer ter uma vida saudável? Você está de parabéns!

O alimentar-se está pautado em culpa. E a felicidade hoje está no “esmaga que cresce”.
É claro que se sua auto estima estiver boa, ótimo. Mas depositar todas as expectativas de o que não dá certo na vida ser por causa do corpo já é um exagero imensurável.

comendo pizza

Talves vocês se sintam um pouco como eu me sinto. Eu, como nutricionista, não faço dietas malucas, como glúten, tomo leite com lactose, tomo sorvete, como doce, como arroz e feijão, assim como todas as pessoas. Não estou em busca de um corpo perfeito e completamente duro, pratico exercícios físicos que eu gosto porquê me dá uma sensação ótima para enfrentar as coisas do dia a dia. E me sinto numa jaula quando estou em um lugar e alguém vem e me diz: “NOOOOSSA, VOCÊ TÁ COMENDO ISSO? VOCÊ NÃO É NUTRICIONISTA? TEM QUE COMER SÓ SALADA!”. Ou seja, sinto o preconceito na pele, de por ter escolhido uma profissão que tem como base a alimentação, não poder ser uma pessoa normal. Estou aprendendo a ignorar, mas acreditem, já pensei muito em largar tudo, e essa era uma questão chave na minha vida. Nunca gostei de estar presa a algo, mesmo que seja algo que esteja apenas dentro da cabeça pequena de algumas pessoas.

Marilyn Monroe
Por isso eu digo. Estar acima do peso não faz de alguém menor que aquela pessoa que está no seu peso normal. Vamos tentar ser mais compreensivos! Existe uma infinidade de questões que levam alguém a estar acima do peso, e elas precisam ser tratadas com um profissional habilitado para este fim.

melanciaLembre-se: Para uma pessoa que está acima do peso, as expressões “nossa, você está comendo isso?”, “fulano chegou, vai comer toda a comida da casa”, “você precisa fazer um regime urgente”, “se você fosse mais magra não teria acontecido isso”, “nossa, nunca vai arrumar um namorado gorda desse jeito”, “você não tem força de vontade? para de comer”… (e tantas outras que se eu for escrever não vão caber nesse espaço que tenho aqui) seriam cômicas se não fossem tão trágicas. Isso vai agravar mais ainda a situação. Vai por mim!

Se você pensa que chamando uma pessoa de gorda ela vai emagrecer, está bem enganado!

A obesidade deve sim ser tratada com seriedade, é uma doença (que se você não sabe já vem sendo reconhecida como “Epidemia Mundial”) faz tempo. Palavras de incentivo estão longe de ser de cunho depreciativo. Para uma pessoa emagrecer, todos que estão ao seu redor devem ajudar, e não dar uma rasteira de culpa.

Uma frase que eu gosto bastante, do Dr. Maurice E. Shils, para fechar minhas palavras com chave de ouro, e que (espero eu) tragam a você uma reflexão importante e intrigante é a seguinte: “A obesidade não é um problema moral, não é um problema mental ou de falta de força de vontade, seu tratamento implica na redução da mortalidade de pessoas que teriam suas vidas ultimadas precocemente.”

E para quem passa por isso que eu tentei expor, digo apenas: coragem amigo, você não está sozinho! E para você que não enxerga outra coisa além do peso alheio e acha que ser magro é parâmetro de felicidade (e de foco), você é um babaca, apenas. Eu sinto muito.

Por: Anne Paiva